FANTASIA ao alcance das mãos

Manu book_of_romance_by_breathing2004-d1npxub Alguns admiram as estantes cheias, enquanto outros torcem o nariz e nos chamam de “acumuladores”. Qual a necessidade – e qual o problema – em ter tantos livros?

Por Emmanuella Conte
Manu 2012-JUN-Fantasy-Book-Werm-by-Kristin-Kest-300x300Ouço aquelas três batidas fortes no portão. Minha cachorra começa a latir em frenesi, para reforçar o chamado. Saio de casa sem hesitação, certa de quem acaba de chegar. Abro o portão e o vejo, em amarelo e azul, proferindo as palavras mágicas com que sempre me cumprimenta: “Mais um livro!”. Moro em Rio Verde, Goiás, uma cidade com 200 mil habitantes e apenas uma livraria. A visita do carteiro, portanto, me é sagrada, pois anuncia a chegada de tudo que não encontrei lá e precisei adquirir online. E o que intriga o carteiro, os familiares, amigos e colegas que não compactuam da mesma situação é justamente isso: são precisos tantos livros? Esse consumismo compulsório de material de leitura é bastante comum entre nerds, mas é visto com um quê de desprezo pela sociedade cada vez mais prática e minimalista que nos cerca. Afinal, por que não apenas pegar os livros em bibliotecas? Por que não apenas adquiri-los eletronicamente e poupar espaço? Por que investir tanto em uma coleção tão grande que dificilmente poderá ser lida mais de uma vez? O mundo da fantasia e da literatura fantástica é particularmente importante para mim. Poder ingressar em uma realidade Manu fantasy-books-1280x800alternativa torna os dias difíceis mais suportáveis. Mergulhar em narrativas de coragem, lealdade, determinação e superação me dão uma perspectiva diferente do nosso próprio mundo, e me ajudam a encará-lo um pouco melhor. Portanto, quem compartilha desses sentimentos a respeito dos livros sabe que temos um sentimento fraternal por eles. Mais que parte da decoração, eles são parte do nosso dia a dia: são nossa companhia nos dias de chuva em que não podemos sair, ou nos dias de sol em que não queremos sair. Nos embalam nos sábados à noite sem outros embalos. Nos colocam pra dormir quando o sono não vem, ou nos mantêm acordados quando não queremos dormir. Nos colocam ideias malucas na cabeça, enquanto tiram outras. São companheiros de estrada, têm uma conversa interessante, e não roncam na poltrona ao lado. Esperam conosco no consultório médico, na fila do banco, no ponto de ônibus. Nos fazem rir alto ou chorar discretamente em público. E é por isso que acabamos tendo tantos deles: quem não quer ter amigos tão leais por perto? Manu 02Não queremos tantos livros para ler todos, exatamente, mas para ter a oportunidade de lê-los quando quisermos. Ah, a sensação de ter à mão justamente o que precisamos…!  Vasculhar as prateleiras, soprar a poeira acumulada, selecionar candidatos à próxima leitura, ler sinopses, guardar tudo no lugar… É como estar em uma livraria sem os vendedores insistentes ou em uma biblioteca sem os prazos de devolução. Há quem nos chame de acumuladores, mas discordo. Acumuladores juntam coisas de pouca ou nenhuma utilidade, Manu-many-books2mantendo-as em completa desordem e transtornando a própria saúde e o bem estar de todos de seu convívio. Nossos livros não são lixo: são fontes de pesquisa, estudo, trabalho e entretenimento; cuidadosamente classificados, enfileirados ou empilhados em lugares de honra e exibidos com orgulho. E, garanto, não há nada de errado em querer ter em casa sua própria entrada para Nárnia, Hogwarts ou a Terra-Média  – embora, talvez, a entrada facilitada para a violenta Westeros de A Guerra dosTronos possa ser um tanto perigosa.

ManuEmmanuella Conte é tradutora, professora, colaboradora da revista Mundo Nerd, leitora voraz e defensora dos direitos dos colecionadores. Você pode visitá-la em http://www.herecomesthezombie.net

Anúncios

10 comentários sobre “FANTASIA ao alcance das mãos

  1. Ótimo texto Emmanuella. Realmente, comprar livros físicos é, pelo menos para mim, quase uma compulsão. Apesar de ser um adepto dos e-readers, continuo adquirindo os de papel. Aliás, parece que depois do Kindle comecei a comprar AINDA mais livros de papel.

    Curtido por 1 pessoa

    • Ben, também notei isso após adquirir (aham, ter ganhado de presente) meu Kindle. Fico procurando e-books para baixar e acabo comprando a edição física, haha! Pessoalmente, não acho que o preço ainda compense; digo, se for pra investir 30 reais em um livro, prefiro tê-lo nas mãos e poder trocá-lo, se não gostar tanto assim.

      Curtir

  2. Adorei Manu! Principalmente o trocadilho com sábado à noite sem embalos, Hahahah! O assunto poderia ser batizado como “Ostentação Nerd”. Eu sinceramente não entendo que pode conseguir viver nesse mundo sem ler. Beijo beijo.
    PS.: muito difícil essa parte dos comentários. Verde limão com branco não são exatamente fáceis de se ler.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Eu sou um leitor frequente, mas ainda assim não leio tanto quanto gostaria (e quem de nós não queria ler mais, independente da periodicidade?). Moro realmente próximo a uma ótima biblioteca municipal, usufruo bastante dela, retiro obras, dôo e ainda sugiro novos títulos para aquisição. O que, de maneira alguma, me impede de ser um ávido comprador de livros e quadrinhos (também gostaria de comprar mais, mas né?), os quais exponho na minha estante com grande satisfação.

    Ao ler teu texto, lembrei de uma história real digna do universo da fantasia: há umas semanas atrás conheci uma pessoa cuja mãe não sabia ler mas era apaixonada por livros. Ela pedia diariamente a filha, quando esta chegava da escola, que lê-se algum volume emprestado da biblioteca municipal em voz alta, enquanto sua mãe preaparava a janta. Hoje, essa menina é uma excelente professora de português, redação e literatura, loucamente apaixonada por livros!

    Curtido por 2 pessoas

    • Muita gente me pergunta por que não doo parte dos meus livros – como se eu fosse uma maluca acumuladora obsessiva compulsiva sem noção de realidade, mas a verdade é que a nossa biblioteca municipal não aceita doação de livros usados (!!!). Dou/troco alguns dos meus livros sempre que tenho oportunidade, mas gosto mesmo de tê-los em casa e voltar a eles sempre que tenho vontade. Quanto à sua história, me identifico um pouco com a filha. Meus pais nunca leram pra mim, mas eu lia (e ainda leio, não tenho vergonha de admitir) para a minha mãe enquanto ela preparava o almoço. Compartilhamos, assim, muitos gostos em comum e temos sempre assunto para conversar. E a prática ainda melhora minha dicção, algo que sempre me transtornou, haha. Leitura é tudo de bom!

      Curtir

  4. Que texto! E eu esperando, sei lá, estatísticas que comprovavam que somos acumuladores, rsrsrs, o que na verdade está errado, pois somos colecionadores, que é diferente de acumular. Acumuladores fazem isso por causa de algum problema (depressão, trauma etc), já nós colecionamos porque gostamos.
    Fiquei aliviada em saber que não há nada de errado em termos aquele mundo sempre pertinho, ao alcance das mãos.
    até

    Curtido por 1 pessoa

  5. Adorei esse texto, maravilhoso! Resume bem a delícia que é ser um leitor dono de grande biblioteca em casa, e incompreendido muitas vezes. Lindas palavras! Obrigada, amei, tem tudo à ver comigo.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s