STAR TREK: As Incríveis Viagens que Você NÃO ASSISTIU!

star_trek_archive___alt_univ_by_sharpbrothers

Kirk morto! A cruel história do Universo Espelho! As primeiras missões de Picard no espaço! Estas e outras incríveis aventuras fazem parte do rico univero literário de Jornada nas Estrelas – saiba o que pode ser lançado no Brasil

Por Ben Santana

A Editora Aleph anunciou que vai voltar a publicar os romances de Star Trek no Brasil, ainda em 2015. Sim, “voltar”, já que ela lançou uma coleção desses romances no início dos anos noventa do século passado.

Romances baseados em franquias famosas são algo muito comum nos Estados Unidos. Afinal, é uma maneira de capitalizar e manter visível a marca. Em tempos que nem vídeo cassetes  existiam, era assim que os fãs mantinham contato com seus personagens favoritos.

trek001É claro que Star Trek, com o culto que foi gerado ao seu redor, não poderia ficar de fora. Ainda quando a série clássica (The Original Series) estava no ar, a editora Bantam lançou novelizações de episódios escritas pelo inglês James Blish, publicadas entre 1967 e 1975. Blish tinha acesso aos primeiros rascunhos do roteiro dos episódios, antes de ver os episódios prontos (que demoraram um tempo ainda para serem exibidos no Reino Unido) e suas versões são interessantes justamente por causa disso. Algumas dessas adaptações foram publicadas aqui no Brasil pela Editora Unicórnio Azul.

Ainda em 1970, a Bantam lançou também uma série de romances originais, que saíram trek002esporadicamente até 1981. O primeiro livro foi escrito pelo próprio Blish, Spock Must Die! (1970) e lida com a criação de uma cópia táquion (!) do primeiro oficial da Enterprise  para investigar a destruição dos Organianos, a raça super-poderosa que obrigou o pacto de não agressão entre a Federação e o Império Klingon (no episódio da primeira temporada da série clássica Missão de Misericórdia – “Errand of Mercy” no original).

Outros dois destaques dessa série da Bantam são The Price of Phoenix (1977), de Sondra Marshak e Myrna Culbreath, que traz de volta a Comandante romulana do episódio Incidente Enterprise (“The Enterprise Incident”) , e é uma outra história que trabalha com duplicatas. Desta vez, Kirk é dado como morto e seus padrões capturados no teletransporte criam um novo ser. O livro teve uma continuação em 1979, The Fate of the Phoenix.

Outro é Spock Messiah! (1976), de Theodore R. Cogswell e Charles A. Spano Jr. A tripulação da Enterprise testa um implante telepático e visita um planeta cujos habitantes andam sempre de rosto coberto, O tal implante permite que a tripulação acesse seus pensamentos e memórias, e dessa forma se misturem com eles sem se mostrar. Ou seja, coisas nada éticas, mas que aparentemente eram possíveis de serem mostradas em um romance de Star Trek na década de setenta. Na trama, quando acontece um problema (é claro) uma das tripulantes se torna “sexualmente promíscua” a bordo da Enterprise. Sério.

trek003Em 1979, a Pocket Books (um dos braços da poderosa Simon and Shuster) lançou a adaptação do script de Jornada nas Estrelas: O Filme e inaugurou uma nova era nos livros de Star Trek. Tecnicamente, esse foi o primeiro volume da série da Pocket, mas a Bantam ainda viria a publicar mais romances até Abril de 1981. Foi apenas em Junho daquele ano que o primeiro romance original foi publicado pela Pocket, The Entropy Effect (lançado pela Aleph na década de noventa como O Efeito Entropia). Escrito por Vonda N. McIntyre, lida com conceitos de física quântica e viagens no tempo.

Hoje, os livros de Star Trek da Pocket Books totalizam quase mil (!) títulos, de todas as séries da franquia e algumas outras criadas especialmente para esse universo “literário”.

Audaciosamente lendo…

Os romances de Star Trek (ou de qualquer outro universo compartilhado) permitem que os personagens sejam muito melhor explorados que em um episódio de 50 minutos: seus passados, suas personalidades e características são aprofundadas. Venho lendo esses livrinhos desde a minha adolescência, lá nos longínquos e jurássicos anos oitenta. Uma listinha de alguns deles que merecem uma leitura:

O Mundo de Spock (1989), de Diane Duane. Vulcano, o planeta de Spock, quer se separar da Federação, alegando que o contato com os humanos, totalmente imprevisíveis e emocionais, é perigoso para o desenvolvimento do planeta. Kirk, Spock e a tripulação da Enterprise são mandados ao planeta para servir de embaixadores e auxiliar no debate pró-Federação. O interessante no livro de Duane não é a aventura em si, mas a análise da sociedade e história do planeta, que mostra porque os seus habitantes resolveram abraçar a lógica pura. A Aleph publicou O Mundo de Spock aqui no Brasil em 1996.trek005

Imzadi (1992), de Peter David. David é um velho conhecido dos fãs de quadrinhos e escreveu por mais de uma década as aventuras do Incrível Hulk. Mas ele também é fã de Star Trek e até escreveu séries em quadrinhos da franquia para a DC Comics. Também escreveu diversos romances. Imzadi é um deles e trata da relação entre Will Riker, o primeiro oficial da Enterprise-D e a Conselheira Deanna Troi. “Imzadi” é a palavra betazoide para “o ser amado”. David amplia o seu significado para “o primeiro que tocou a sua alma”. A trama se passa em duas épocas distintas, o futuro onde o agora Almirante Riker se mostra amargurado pela perda de Deanna e o passado, quando ele a conheceu em uma missão em Betazed. David ainda usa viagens no tempo, cortesia do Guardião da Eternidade (que apareceu pela primeira vez no episódio da série clássica, A Cidade à Beira da Eternidade). Imzadi foi publicado no Brasil pela própria Aleph em 1994.

trek004Federation (1994), de Judith e Garfield Reeves-Stevens. Uma história que acontece tanto na era de Kirk quanto na de Picard. Entre outras trama, é mostrada a primeira viagem de Zefram Cochrane até Alfa Centauri, que inaugurou a era da velocidade de dobra e possibilitou a existência de uma Federação dos Planetas.  Obviamente, Federation não é canônico (ou seja: não se encaixa à cronologia oficial da série), pois muitos dos eventos mostrados ali não batem com Primeiro Contato, o oitavo filme da franquia. O livro, porém, é muito – mas muito mesmo – melhor que o filme.trek007

A série New Frontier (1997 – presente), de Peter David. New Frontier teve a honra de ser a primeira série criada diretamente para os livros, com a sua própria continuidade e não meramente como um desdobramento das séries de televisão. A ideia de David (e do co-criador, o editor John J. Ordover) era criar novos personagens e misturá-los com alguns já existentes. As tramas se passam na época da Nova Geração e mostram as viagens da nave USS Excalibur, comandada pelo Capitão McKenzie Calhoun, um oficial cheio de recursos e adepto da “diplomacia cowboy”, bem aos moldes de James Kirk. New Frontier é uma série extremamente bem escrita e já tem 18 livros publicados, além da aparição de Calhoun em outros livros da franquia.

trek006Sorrows of  Empire (2009), de David Mack. No episódio da segunda temporada da série clássica, O Reflexo no Espelho (“Mirror, Mirror”), Kirk e companhia encontram um universo paralelo habitado por suas contra-partes malévolas, que servem a um Império que apresentauma estrutura política militarista e é governado com mão de ferro. O episódio, um dos mais queridos pelos fãs, gerou outros nas séries subsequentes, Deep Space Nine e Enterprise. Não é o primeiro livro escrito sobre o Universo Espelho, mas de longe é o melhor, já que Mack mostra, em um período de trinta anos, uma história recheada de ação, intrigas da corte e referências à rica história de Star Trek.

Onde nenhum leitor jamais esteve

E ainda existem algumas outras séries que são, no mínimo,  interessantes:

trek008Star Trek: Vanguard (2005-2012), de David Mack, que se passa na época da série clássica. “Vanguard” é o nome dado à Base Estelar 47, que serve de ponto de apoio para a expansão da Federação no espaço profundo. Sete romances da série foram publicados.

Star Trek: Seekers (2012 – presente). Também de David Mack, é uma sequência direta de Vanguard, que usa vários personagens e cenários da série anterior. Dois volumes foram publicados até agora.

Starfleet Corps of Engineers (2000 – presente). Primeiramente lançado como uma série de novelas em formato trek009eletrônico, ganhou versão impressa. Mostra, como diz o nome, o dia a dia dos engenheiros da Frota Estelar. Treze volumes até o momento.

Star Trek: Titan (2005-presente). Após os eventos de Nêmese, o último filme da Nova Geração, William Riker ganha o comando de sua própria nave, a Titan. Assim como New Frontier, mistura personagens que apareceram nas séries de televisão com outros criados especialmente para os livros. Até o momento, dez livros foram publicados.

Star Trek: Stargazer (2004-2006). A primeira nave a ser comandada por Picard foi a USS Stargazer. Nesta série de seis livros, vemos suas aventuras antes assumir a Enterprise-D. Todos os seis livros foram escritos por Michael Jan Friedman. 

trek010IKS Gorkon (2003-2008). Keith R.A, DeCandido escreveu os quatro livros da série, que se passam a bordo da Gorkon, uma nave estelar klingon.

“Shatnerverso” (1995-2007) William Shatner “escreveu” dez livros sobre as aventuras do Capitãotrek011 Kirk depois de Gerações. “Escreveu”, porque na verdade os autores são Judith e Garfield Reeves-Stevens (os mesmos de Federation). De qualquer forma, os livros são muito interessantes e usam vários elementos da mitologia das séries de Star Trek. Aqui no Brasil, o segundo livro, The Return, saiu com o nome de O Retorno do Capitão Kirk, pela Editora 67, em 1998.

Livros: a Fronteira Final

Além de centenas de livros baseados em todas as séries (A Série Original, Nova Geração, Deep Space Nine, Voyager e Enterprise – e esses três últimos tiveram continuações diretas das séries televisivas, chamadas de “relaunch”), a Pocket Books lançou diversas minisséries em vários romances que contavam uma única história. Houve também séries especiais, com destaque para Captain’s Table (1998), que usa o mesmo recurso narrativo de Canterbury Tales, de Chaucer, com vários capitães em uma taberna, onde contam uma história de suas carreiras. Ou The Lost Era (2003-2014), série de livros que mostram acontecimentos que se passam no século 23, logo depois de Gerações, e o primeiro ano da Nova Geração, no século 24.

O grande atrativo dos romances de Star Trek são as expansões do universo de todas as séries. São, é claro, versões muito pessoais do dito universo, e varia de autor para autor. Isso não impede, de forma alguma, que eles sejam extremamente divertidos e interessantes, tanto para os fãs quanto para quem quer apenas uma boa história de aventura.

BenBen Santana nasceu no final da Era de Prata, mas cresceu na Era de Bronze. Professor, tradutor e desocupado (quando sobra tempo), vem lendo e pesquisando quadrinhos desde sempre. Seu blog é http://prataebronzecomics.blogspot.com.br

Anúncios

4 comentários sobre “STAR TREK: As Incríveis Viagens que Você NÃO ASSISTIU!

  1. Quero tudo! O que me desanima é saber que é justamente a Aleph que vai trazer esses livros… A abençoada começa a trazer as séries e nunca termina, e aí a gente fica sem a coisa completa 😦
    (do Shatnerverso eu li a trilogia Totality e achei sensacional, gostaria que também viesse pro Brasil!)

    Curtir

  2. Olá!!

    Eu sabia que “Jornada nas Estrelas” tinha livros, mas não imagina que fosse tudo isso. Fico um pouco com receio de pegar algum desses para ler (especialmente o que a Aleph pretende lançar agora no segundo semestre), justamente por não manjar muito de Jornada nas Estrelas. Eu assisti a alguns episódios da Nove Geração, mas não posso dizer com exatidão que conheço TUDO. Foi há muito tempo e é muito provável que eu ainda era criança quando tive contato com a série. Tenho medo de ficar boiando sabe?
    Porém, contudo e entretanto, talvez eu até pegue os próximos lançamentos da editora… Afinal, nunca é tarde para começar.

    Nem falei, mas esse texto ficou ótimo e bastante explicativo.

    Até mais

    Curtir

  3. Natália

    O que a Aleph pretende (re)lançar é Portal do Tempo (Yesterday’s Son), de Ann Crispin, que é uma sequência direta do episódio “All Our Yesterdays” (“Todos os Nossos Amanhãs”), da terceira temporada da série clássica. Recomendo você assistir esse episódio antes de ler o livro. Assim como o episódio da primeira temporada, “The City on the Edge of Forever” ( “A Cidade à Beira da Eternidade”), que mostra a estrutura/máquina do tempo conhecida como o Guardião da Eternidade.

    E ei, não é necessário saber de tudo sobre Star Trek para ler os livros. Eles funcionam como ótimas histórias de ficção científica e aventura mesmo que você conheça pouco da(s) série(s).

    E obrigado pelas palavras. Que bom que você gostou.

    Ben

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s