Crítica: ALIEN: COVENANT

Cartaz

Quando Hollywood resolve abraçar o cinema bagaceira

Por Gustavo Daher

Quando Prometheus chegou aos cinemas em 2012, algumas questões foram deixadas no ar. Qual era o verdadeiro objetivo dos Engenheiros? Por que o andróide David (Michael Fassbender) infectou um membro da tripulação com a misteriosa meleca preta? E por que toda a tripulação da nave era composta por imbecis?  Muitos fãs ficaram insatisfeitos com o filme, pois ele não se conectava diretamente com a produção original Alien: O Oitavo Passageiro, de 1979.

costas
Corta para 2015, quando o cineasta Neill Blomkamp começa a divulgar artes conceituais de um novo filme da franquia Alien, que prometia a volta dos personagens de Sigourney Weaver e Michael Biehn. Mas alegria de fã pobre dura pouco e o diretor Ridley Scott e a Fox anunciaram a continuação de Prometheus, colocando a produção de Blomkamp no limbo.

ALIEN: COVENANTFinalmente chegamos a Alien:Covenant (2017), que chega aos cinemas nacionais nesta semana. Se a intenção era fazer um filme calcado no terror, podemos dizer que o objetivo foi cumprido, mas talvez não da maneira esperada. O filme abraça completamente o espírito do cinema exploitation, com muitas semelhanças às cópias do próprio Alien feitas nos anos 1980 e 1990, principalmente as produzidas pelo mestre dos filmes B, Roger Corman, e as tranqueiras feitas na Itália – produções “memoráveis” como Alien 2: Sulla Terra, Alien: O Monstro Assassino, XB: Galáxia Proibida, Galáxia do Terror e A Criatura, entre outras.
18112016_01
O que temos em Alien:Covenant é um filme B que ganhou orçamento milionário (estimando em US$ 111 milhões) e todo capricho visual que é esperado de Scott. Mas o espírito é de pura bagaceira. Mortes violentíssimas, cenas sangrentas, personagens dispensáveis e até uma bem vinda cena de sexo gratuita completam o pacote. A história é a mais básica possível:  uma missão de colonização acaba se desviando de sua rota original após a nave Covenant sofrer um acidente, indo parar num planeta desconhecido e cheio de perigos.

PHtyjjycijkXwy_1_lComo enorme admirador de tranqueiras cinematográficas, me diverti bastante com a produção. A maneira como as pontas soltas do Prometheus são amarradas é de chorar de rir. O filme ainda tenta passar um clima de seriedade, com algumas citações literárias e filosofia barata que não convencem ninguém. A atriz principal, Katherine Waterston, passa o filme inteiro chorando para, ao final, contrariar a lógica e se tornar a “bad-ass” que toda produção da franquia exige.

Resumo da ópera espacial: um divertidíssimo filme de monstros com violência e sangue a rodo para nenhum fã de filmes-podreira botar defeito.

Cotação:

3 e meio

Anúncios

4 comentários sobre “Crítica: ALIEN: COVENANT

  1. Estou curioso para ver esse filme, porque gosto da forma de narrativa do Ridley Scott e da atuação do Fassbender. Claro que tem um monte de erros, como Prometheus. Em Prometheus meus amigos também comentaram que o geólogo e o biólogo são dois imbecis, e isso eu achei bem realista, já que nos últimos anos as universidades vem formando cada vez mais gente perdida, kkkk. Assisti Aliens: O Resgate no cinema (tinha 10 anos e a censura era 16, brrrrr) e a franquia me pegou de jeito, é uma das minhas preferidas. Infelizmente, cada fã/diretor tem a sua visão.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Filme péssimo! É o Star Wars VI desta franquia! Totalmente previsível, não acrescenta praticamente nada. E quando acrescenta, é de forma tola. Repetitivo. Parece uma refilmagem ruim de “Alien, o 8º Passageiro” com toques de “Aliens, o Resgate”. Como se um discípulo ruim de Ridley Scott tentasse se sair meio como que um James Cameron fraquinho. Estava mais de quatro anos esperando por este filme, e o que eu vejo é um “O Mundo Perdido (Jurassic Park 2) espacial. A cena de abertura é fantástica, embora remetesse à ambientação da sequência final de “2001: Uma Odisseia no Espaço”. Isto foi algo que “Prometheus”, mas que novamente não “cumprius”.
    PS.: Ainda assim prefiro isso do que o Neill Blomkamp estragar tudo ignorando “Aliens 3” e “Alien Ressureição”, filmes razoáveis, mas definitivamente da franquia. Blomkamp, depois daquele troço chamado “Elysium”, deveria se aposentar.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s